sábado, 25 de junho de 2011

Livros preferidos

Mesmo correndo o risco de esquecer alguns, vou listar aqui os livros que mais amei na vida. Me sinto praticamente na obrigação de indicá-los aos amigos. E a recíproca também é muito bem-vinda! Então vamos lá:

Paris é uma Festa (Ernest Hemingway): O engraçado é que tentei lê-lo uma vez, odiei e devolvi para biblioteca. Depois uma personagem da novela do Manuel Carlos comentou sobre o livro e resolvi dar uma segunda chance. Foi perfeito. É poético, biográfico e narra um pouco da história dos escritores que viviam na Paris dos anos 20.
A Flor da Inglaterra (George Orwell): Esse é da lista das minhas leituras mais recentes. É sobre um homem que tenta resistir à vida pequeno-burguesa, mas aos poucos percebe que é praticamente impossível. Me conquistou pelo mau-humor engraçado e pela discussão “filosófica”
Cem Anos de Solidão (Gabriel Garcia Márquez): Faz parte da lista de muita gente, então dispensa explicações
Os Cadernos de Don Rigoberto (Mario Vargas Llosa): Foi o primeiro que li do autor e foi diferente de tudo que eu havia lido até então. Sinceramente não sei explicar o livro, bom mesmo é ler e se deliciar
Anna Karenina (Tolstói): Gostei nem tanto pela história, mas pela maneira minuciosa com que o autor descreve os personagens. Parece até que lê mentes!
História da Arte: Não é literatura, mas me deixou feliz por um bom tempo (o livro tem umas 600 páginas, bem ilustradas). Para quem gosta de história da arte é um prato cheio
Capitães da Areia (Jorge Amado): Esse eu li em um daqueles momentos raros em que os professores do Ensino Fundamental te pedem para ler alguma coisa interessante. Depois desse li vários livros do Jorge Amado, e durante muitos anos ele foi meu autor preferido
As Brumas de Avalon (Marion Zimmer Bradley): Confesso que eu amooooo a sequência. Porque mistura amor, religião, intrigas palacianas e, principalmente, magia
A Mulher do Próximo (Gay Talese): esse livro é perigoso para pessoas altamente influenciáveis. Felizmente eu sou resistente (rs)
As Intermitências da Morte (José Saramago): Foi o livro que me abriu as portas para o autor. Acho simplesmente perfeito que Saramago, mesmo sendo um escritor pessimista (pelo menos eu acho), conseguiu fazer uma história linda, inteligente e essencial!
Um adivinho me disse (Tiziano Terzani): Esse foi indicação da Ana. É tipo um diário de viagem ao estilo Comer, Rezar, Amar. A diferença é que é bem escrito, inteligente e com aquele delicioso mau-humor que diverte a gente.
Ilusões Perdidas (Balzac): É um livro sobre um aspirante a literatura que acaba virando crítico de teatro. O título já diz tudo. Ótimo.
O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde): Pela discussão filosófica e, principalmente, pelos aforismos.
Paulo e Estevão: Livro lindo da literatura espírita. Sabe aqueles que fazem bem ao coração? Pois é.
Conhecimento do Inferno (Antonio Lobo Antunes): Esse, ao contrário de Paulo e Estevão, faz mal ao coração. Mas te deixa pensando por um bom tempo. Gosto disso também.
Conversa na Sicília (Elio Vittorini): Muita gente ganhou esse livro da entrega do Prêmio Samambaia. Por ser tão acessível (rs), achava que era um livro ruim. Mas não é.


A lista não acabou...O que acabou foi meu tempo. Volto em breve!...rs

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Inferno astral, cidadania e aniversário

Eu quase tive a impressão de que passaria pelo inferno astral pré-aniversário, mas já estou desconfiando que este ano ele se esqueceu de mim. Pois não é que meu primo encontrou a papelada para eu tirar minha cidadania italiana?! Era tudo que eu queria!!! Agora só espero que o Cesare Battisti não tenha atrapalhado meus planos. ;)

No mais...30 anos na quarta-feira. Queria comemorar com pompa, mas graças a um pedido de Ano Novo estranho (pedi muuuito trabalho!...rs), não poderei. Mas espero compensar com algo que desejo há muito tempo: que minha mãe faça leite de onça para eu tomar o dia todo!!! ;)