sábado, 30 de novembro de 2013

NY e noivado


Como é tradição neste blog, vamos ao post de viagem! O destino desta vez foi Nova York e com climinha de lua-de-mel, já que o Rodrigo e eu ficamos noivos por lá (que toquem os tambores!!!!). Sim, claro que essa ideia foi minha. Sim, claro que foi no Central Park porque criatividade nunca foi meu forte. Sim, estou imensamente feliz. Não, não temos data para o casório (rs).


Ficamos dez dias por lá em um hotel enorme que mais parece uma rodoviária (aquela foto linda do hall deles que aparece no site: é melhor imaginar abarrotada de gente), mas que tem tudo que a gente precisa. Em especial uma localização perfeita. O Hotel chama-se Pennsylvania (http://www.hotelpenn.com/) e fica em frente ao Madison Square Garden e perto de tudo que importa para um turista em primeira viagem ser feliz (Empire, Rockfeller Center, Brodway, 5ª Avenida…). Tudo bem que internet lá é cobrada, o café da manhã é meio monotemático e disputado a tapa e que o frigobar não tenha nem água, mas quem se importa? Só para descansar estava de ótimo tamanho.


Chegamos cedinho numa segunda-feira e, depois de alguma espera para entrar no nosso quarto, fomos reconhecer o terreno. Depois da tradicional passadinha na Starbucks para surrupiar a internet e de espiarmos os celulares na Apple, ficamos caminhando pelas ruas até chegar no Rockefeller Center, onde já estava montada a pista de patinação no gelo. Antes passamos pela 5ª Avenida, pela Times Square, enfim, todas as ruinhas que ficavam perto do nosso hotel (ou nem tão perto assim).


No dia seguinte acordamos cedinho, conferimos a previsão do tempo (congelante para meus padrões) e fomos para o Top of The Rocks (http://www.topoftherocknyc.com/), no Rockefeller Center, que tem uma visão linda de Nova York! Estava um vento gelado e cortante, mas mesmo assim eu aguentei firme a maior parte do tempo e consegui até fazer umas fotos lá fora e admirar a paisagem. Penso que estou ficando um pouco menos intolerante ao frio, já posso até pensar em morar na Europa entre o verão e o outono (rs).


Metropolitan


No mesmo dia fomos ao Metropolitan Museum (http://www.metmuseum.org/), que foi meu passeio de arte preferido. Além de tudo que eu já gosto normalmente (arte egípcia, europeia, antiga e a moderna até certo ponto...rs), o museu tem uma seção de arte oriental muito bacana, acho que ainda não tinha visto algo assim antes. O difícil é que o lugar é muito grande e a gente acaba vendo tudo correndo, mas acho que é dentro de um museu que eu me sinto mais feliz! A Ana acha incrível, mas eu deixo de comer se for preciso para passear em museu. Por isso que, se não fosse jornalista, seria curadora do Louvre (rs).




Terminamos o passeio na Brodway para assistirmos o lindamente cafona Fantasma da Ópera (http://www.broadway.com/shows/the-phantom-of-the-opera/!). Gente...a Brodway tá para mim e meu senso de estética duvidoso!..rs. Amei demais a produção, a cena do lustre, a cantoria….Bom demais!


Na quarta-feira tivemos de tirar um pedaço do dia para as compras, especialmente porque não estávamos devidamente preparados para o frio. Neste dia caíram um floquinhos de neve e pensei que era chegado o momento de me agasalhar melhor. Claaaaaaaro que não fomos às compras só por isso, o apelo consumista nos pegou com força! Aí fomos na Century 21 (http://www.c21stores.com/) para poucos dias depois nos arrepedermos ao descobrir que o lugar onde vale mesmo a pena gastar é no Outlet de Nova Jérsey (http://www.jerseygardens.com/). Eu até não comprei nada de marca e evitei as roupas (não tinha quase nada lá que combinasse comigo), mas os sapatos...Nossa, comprei muitos. E nem sou a moça dos sapatos, mas acho que agora estou bem servida pelos próximos 20 anos..hehe.


Voltando ao passeio de quarta, saímos da Century 21 e fomos ver o início de noite (que estava começando sempre às 16h30, para minha tristeza) no Empire State (http://www.esbnyc.com/). O enredo é o mesmo: vento cortante e vista linda da cidade. Mas à noite Nova York fica ainda mais bonita do alto, cheia de luzes verdes. Já falei que para fazer todos esses passeios é mais barato comprar o City Pass, né? (http://pt.citypass.com/new-york). Custa 106 dólares para vários passeios legais. Eu me sinto meio idiota dando dicas de Nova York porque eu sei que é o passeio prioritário de metade da humanidade que quer ir para o exterior (como assim, vocês não conhecem Paris?..hehehe - piada interna).


Agora, anote a principal dica de passeio em Nova York: o musical do Rei Leão! Gente, que coisa maravilhosa de se ver. Que perfeição, que lindura, que tudo!!! Eu sou super fã do desenho e não pensei mesmo que o musical pudesse superar a abertura do filme. Superar não supera, mas olha: se iguala. Que espetáculo. Vale cada centavo. Se soubesse que era tão bom teria comprado um ingresso para cada dia. Tinha coragem de voltar em Nova York com o único objetivo de ver o musical de novo. Resumindo: amei.



Na quinta-feira vestimos de vez o nosso figurino de turista-padrão-feliz-em-primeira-viagem-para-os-States e fomos onde, onde? Estátua da Liberdade!!! É daqueles destinos que a gente se sente meio que na obrigação de ir mas que depois se revela muito legal. Não pela estátua, que nem é lá essas coisas, mas pelo passeio de barco, a vista da cidade, essas coisas. O dia estava lindo e maravilhoso e rendeu fotos ótimos ao lado do meu amooor (ainda bem que ele não lê meu blog...rs. Aff.. nem ele lê!..rs). Antes de anoitecer, o que como já disse está acontecendo muito rápido, fomos passear na Ponte do Brooklyn (que é linda) e arredores. Achei um passeio romântico, mas para mim tudo estava romântico porque eu estava em climinha de lua-de-mel pré-noivado.


No dia seguinte pegamos um ônibus (ai, adoro: com wifi) com destino a Washington. Nem queria tanto conhecer, até porque estava me custando muito sair da Nova York que eu estava amando. Mas, com as passagens já compradas do Brasil, seguimos para lá. Tem mesmo a lógica de Brasília, com tudo meio distante, mas a cidade é linda e, para um passeio rápido, aqueles ônibus beeem de turista que rodam por lá quebram um bom galho. Além dos monumentos óbvios, gostei bastante do Jardim Botânico que fica ao lado do Capitólio. O jardim reproduz vários biomas (ai, acho que é isso, fugi das aulas de biologia...rs) com o clima e tudo. E a seção de orquídeas tem um cheiro delicioso. Meu Deus, escrevo como uma criança…rs.


Noivado!


O sábado foi o melhor dia de todos, o mais top, o mais marcante, o mais histórico, o mais empolgante, porque….finalmente fiquei noiva!!! (ah, já contei isso antes...rs). Ficamos noivos no Central Park em um dia que estava particularmente ensolarado e quentinho. Claro que a ideia de trocar alianças no Central Park foi minha. Claro que eu já sabia do noivado antes de sair de Goiânia. Claro que fui eu que escolhi as lindas alinças. Claro que eu tenho bom coração o bastante para não obrigá-lo a comprá-las na Tiffany, o que iria deixar meu enredo digno de filme (rs). Mas apesar da ideia meio óbvia, não é lindo lembrar que trocamos alianças lá? Eu acho!




Reservamos grande parte do dia a perambular pelo Central Park. Deu uma invejinha dos moradores que têm tantas opções legais de divertimento gratuito! Tudo bem que em Goiânia também temos parques ótimos, mas eu não me sinto muito segura em frequentá-los. Não sei se o Central Park é realmente seguro, mas a ilusão de pensar que sim para mim já era o bastante (rs). Emendamos o passeio com uma visita ao Museu de História Natural. É bem legal, e tal, mas essas coisas de bichos, dinossauros e tal não é bem a minha praia. Também fomos ver aquele touro da Wall Street e perambular por Chinatown, a Little Italy e o Soho.


O nosso penúltimo dia nos Estados Unidos foi em Nova Jérsey para as comprinhas no Outlet que falei. Desperdício, né? (rs). Mas confesso que na segunda-feira já estava tão acabada mesmo que o melhor era me acabar em compras (rs). Mal sabia eu que meu corpo cobraria a conta da viagem tão logo eu desembarcasse no Brasil...Mas ainda conseguimos ir ao Museu de Arte Moderna (http://www.moma.org/) - céus, como me custa entender aquilo! -  e fazer um passeio super legal e que poucos turistas conhecem, que foi pegar um bondinho para Rossevelt Island. Sério, não vi turista nenhum por lá e, a considerar o preço do ingresso (2 dólares para atravessar), é um destino bem pouco procurado mesmo. Mas vale demais a pena. O que o roteiro turístico vendeu é que era o passeio mais romântico de Nova York, e realmente cumpriu a promessa!

Antes de pegar o avião de volta para o Brasil só tivemos tempo de visitar o monumento de 11 de setembro (que estava fechado, mas tudo bem) e passar na porta do New York Times para deixar nosso currículo (rs). E, claro, dar a tradicional passadinha na Starbucks para fingir que ia tomar algo quando, na verdade, o que a gente queria mesmo era internet. The End.