segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Temas adultos

Demorou, mas finalmente chegou aquele momento em que as coisas de adulto me atraem mais que as coisas de criança. Não que tenha conseguido me livrar de minha paixão pelos desenhos da Disney (são fofos demais), mas é que temas adultos podem ser muito, mas muito interessantes mesmos. Comecei a pensar nisso depois que assisti o filme Uma Rua Chamada Pecado. O filme é simplesmente fascinante. Fiquei com vontade de ler a peça que o inspirou: Um Bonde Chamado Desejo.

Me dei conta também que estamos mesmo ficando cada vez mais infantilizados (tá, todo mundo já sabia, mas faltava a miiiinha percepção...rs). Basta ver os filmes e as novelas de hoje. Atualmente estão reprisando Vale Tudo e, puxa, quanta diferença! Em uma cena da novela o Reginaldo Faria (não sei o nome do personagem) falou para o filho que saiu com uma modelo linda e virgem. E olha o que ele falou: "Fui eu que abati". Alguém consegue ouvir uma frase dessa nas novelas puritanas de hoje? Aliás, porque o mundo parece estar ficando tão puritano? Ou é só impressão minha? Dizem que isso é um ciclo. Que uma sociedade puritana é seguida de uma "libertina", e que elas vão se revezando de tempos em tempos. Acho que é verdade mesmo.

Até um filme, que antes me parecia tão ingênuo, agora reparei que é mil vezes mais moderno que os que tenho visto hoje. ...E o Vento Levou, de 1939, tem a personagem totalmente amoral, que rouba, mata, engana, não respeita o luto, casa, descasa, mente, e ainda assim é absolutamente adorável. E ela não é a vilã! Aliás, até a "boazinha" do filme bate palmas quando Scarlet O´Hara mata um homem. (Já assisti esse filme zilhares de vezes e, para minha alegria, agora o comprei...hehee). São muitos os exemplos. Claro que existem filmes muito adultos hoje em dia, mas parece que eles raramente alcançam o sucesso que mereciam. Ou estou ficando doida?...rs.

E no fim de semana assisti a peça A Loba de Ray-Ban, com tema totalmente adulto também. E achei o texto da peça interessantíssimo. Quer dizer, gostei da peça como um todo, mas o texto é extraordinário. Há tempos não gostava tanto de ver uma peça. Podiam trazer mais peças desse tipo e menos daquelas bobeiras de comédia. Sério, as pessoas não se cansam de rir tanto? Aliás, porque elas riram tanto na Loba de Ray-Ban? Rir é ótimo, mas existem outras coisas boas também! (Continuo meio ranzinza e isso só vai passar com minhas férias).

sábado, 16 de outubro de 2010

15, 14, 13...

É a segunda vez que sonho com terremoto nos últimos dias. Pesquisei no Google, ó grande sábio, e vi que isso significa mudanças positivas na minha vida. Férias podem ser consideradas mundaças? Acho que sim, né? Um mês inteiro dedicado ao dolce far niente (relembrei essa linda expressão no filme Comer Rezar Amar). Na verdade não será beeeem um mês de fazer nada. Farei em novembro minhas aulas de direção, pretendo viajar e, se possível, fazer um curso legal (que pode ser de fotografia, culinária, tricô ou bijouteria). Faltam 15 dias! ;)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Lembrança


Já faz um ano desde a viagem que fiz com o Rodrigo e o Eduardo à Europa. E ainda penso nela todos os dias. O único jeito de me libertar será fazendo uma outra viagem tão perfeita quanto aquela. Mas não será este ano. Afinal de contas, não nasci rica. Para realizar cada sonho desse tamanho, é preciso muito esforço de minha parte. O engraçado é que para algumas pessoas uma viagem à Europa é algo corriqueiro. Para outras, é algo inimaginável. Então fico feliz pelo papel que me cabe, porque foi muito gostosa a sensação de ter realizado um sonho por causa do meu esforço. E que venham minhas próximas férias! (contagem regressiva).