quarta-feira, 8 de setembro de 2010

A vida perfeita

A vida perfeita para mim seria mais ou menos assim:

- Trabalharia meio período no período matutino;
- Teria dinheiro suficiente para me sustentar e financiar alguns luxos (como viagens);
- Moraria numa casa em estilo romântico, com muitas plantas, detalhes rosinhas e dois cachorros engraçados. Talvez eu teria um jabuti também;
- Teria um pequeno espaço na minha casa para tocar violão e fazer artesanato;
- Faria yoga e natação todos os dias;
- Estaria fazendo mestrado;
- Faria cursos de arte;
- Teria uma sala de cinema na minha casa cheia de filmes antigos;
- Nunca trabalharia em feriado;
- Meu cabelo estaria sempre brilhando.


...
Acho que só isso já seria ótimo.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Aviso: estou ranzinza

E agora me lembrei de uma coisa e tive vontade de ser ranzinza. Mesmo sentindo peso na consciência por ter acabado de falar de uma coisa tão linda como a Ana Laura. Mas vamos lá.

Gente educada sofre. Gente boazinha sofre. Gente com cara de boba também. Imagine então todas essas características reunidas. Claro, essa sou eu. Mas cansei de ser educada (com quem não merece). Cansei de ser boazinha (com quem não merece). Cansei de ter cara de boba (quanto a isso não posso fazer nada).

Porque se você é boazinha todo mundo vai querer pisar em você. Se você é boazinha, vão sempre desconfiar que há algo errado – resumindo, você só pode ser falsa. Porque ninguém nesse mundo cão pode ser bonzinho.

Pode até parecer, mas não estou falando de ninguém em específico. É só uma avaliação geral dos meus 29 anos de vida. E isso tudo só está me incomodando porque fiquei intolerante de uns dias para cá. Talvez o fato de trabalhar na editoria de Política em plena época de eleições tenha colaborado com meu estresse. Talvez. Ou pode ser falta de exercícios físicos e chocolate. Mas tenho a impressão é que estou enxergando melhor que antes. E vendo os defeitos alheios com lupa.

Eu avisei que estava ranzinza.

Ana Laura 2


Eu ia começar esse post compartilhando com meus parcos visitantes mais uma crise existencial. Mas de repente veio a imagem da Ana Laura na minha cabeça e desisti de ser ranzinza. Algo mudou...

Quem me conhece sabe que não tenho a menor intimidade com crianças. Não gosto de pegar no colo, não consigo dar mais de 5 minutos de atenção e realmente me irrito muito com choro e birra. Criança me angustia. Ou me angustiava. A Ana Laura está mudando meu jeito. Gosto de segurá-la no colo, penso muito nela durante o dia, fico ansiosa para estar por perto e faço planos...Acho esse sentimento todo muito exagerado, ainda mais porque sou só a tia! Mas ele nasceu assim, exatamente no momento em que vi a carinha dela...

Pronto, perdi a vontade de ser ranzinza por hoje. E prometo tentar mudar de assunto no próximo post.