segunda-feira, 28 de julho de 2014

Reportagem - Punta Arenas (Chile)

A matéria sobre a região dos Magalhães que saiu no O Popular nesta segunda-feira (28 de julho) ;)



Na rota do fim do mundo

Punta Arenas, cidade chilena, é a porta de entrada para conhecer paisagens deslumbrantes no extremo sul da América

Erika Lettry - De Punta Arenas (Chile) Especial para O Popular

O Chile é um dos países da América do Sul com as paisagens mais contrastantes que você poderá conhecer. Do deserto aos vales salpicados de neve, o que não falta são razões para deliciar e surpreender os olhos. Dentro desta diversidade a região dos Magalhães e Antártica Chilena, no extremo sul do Chile, se destaca por reunir cenários que incluem lagos, cavernas, cachoeiras, geleiras e até vulcões inativos.

A porta de entrada para este mundo é Punta Arenas, uma cidade com mais de 130 mil habitantes que durante muito tempo foi o principal porto de navegação entre os oceanos Pacífico e Atlântico, antes da abertura do Canal do Panamá. A partir dela fica fácil conhecer destinos como o Parque Torres del Paine, Pali Aike e a Ilha Madalena - esta última cheia de pinguins.

Com um clima rigoroso especialmente para os padrões brasileiros (nesta época do ano a temperatura chega fácil a dois graus negativos), a região dos Magalhães (também conhecida como a rota do fim do mundo) exige preparo. Luvas, casacos e botas impermeáveis são itens necessários nesta cidade que gosta de surpreender pelo clima. Você pode estar em um lindo passeio ensolarado e de repente avistar uma torrencial chuva de granizo.

Dentro desta lógica, para visitar o Parque Torres del Paine também é preciso se precaver. O passeio é longo e as paradas para descanso quase inexistentes - o que te obriga a levar mantimentos como água e comida. As agências oferecem o passeio de dia inteiro de carro, onde é possível conhecer os principais pontos do parque. Porém, apenas para chegar a este destino, são 300 quilômetros de estrada até Puerto Natales, a cidade que o abriga. E o parque em si não deixa a desejar em termos de extensão, com uma superfície de mais de 227 mil hectares.

Quem dispõe de mais tempo costuma optar por fazer todo o circuito a pé, acampando durante o caminho. Conhecer o local desta maneira exige pelos menos quatro dias e muito fôlego. Mas quem já experimentou não se arrepende. A principal atração deste parque mais visitado do Chile (são 155 mil pessoas por ano) é a Cordilheira Paine, onde se projetam três pontas de granito conhecidas como as Torres del Paine. Mas há também lagos com águas azuis e desprendimentos de gelo que costumam impressionar quem não está acostumado com as paisagens geladas.

Um dia com os pinguins

A região dos Magalhães não tem destinos fáceis. Cada passeio fora de Punta Arenas exige perseverança. A Isla Magdalena é um exemplo. Embora próxima de Punta Arenas - 35 quilômetros -, é preciso pegar estrada e um barco. Você chega até onde estão os pinguins por volta das 15 horas - e às 16 horas já tem de fazer o caminho de volta.

Declarada Patrimônio Natural em 1982, a ilha abriga diversas espécies de animais. Os mais famosos deles são os pinguins, que chegam por volta de setembro e lotam a ilha para a alegria dos turistas. Não à toa a ilha é apelidada de pinguineira, porque fica toda ocupada por filhotes que fazem a população de pinguins aumentar para até 120 mil.

Mas não se desanime se na época do ano em que você estiver na região dos Magalhães esta super população de pinguins já estiver ido embora. Há uma família de pinguins-reis que desafia a lógica dos estudiosos e permanece na ilha durante todo o ano. Observá-los só é possível a distância - o território, de propriedade particular, é todo demarcado. O silêncio também é imprescindível para não pertutbar os pinguins - o que deixa a experiência de observá-los quase mística.


Pali Aike: o primo pobre

Um passeio pouco procurado pelos turistas mas igualmente interessante é o Parque Nacional Pali Aike, com uma superfície de 3 mil hectares localizada no distrito de San Gregorio. A 195 quilômetros de Punta Arenas, o parque é um extenso campo vulcânico de que dá origem a uma paisagem composta por montes e vulcões. A expressão Pali Aike, aliás, significa “lugar desolado” em aónikenk, língua originária dos povos da Patagônia.

O passeio começa na Lagoa Ana, lugar preferido dos guanacos, aqueles animais peludos que lembram as lhamas. De lá são quase duas horas de trilha a pé até a cratera Morada do Diabo - a vista lá de cima, em um fim de tarde, é espetacular e vale a pena todo o sacrifício.

Nesta época do ano, contudo, os dias estão mais curtos e é preciso ser ágil para não perder o passeio mais importante, até a cova Pali Aike. Neste lugar foram encontradas evidências arqueológicas de populações que a usaram como abrigo há 11 mil anos atrás. O terreno até chegar até a cova é bem acidentado e a iluminação, ao anoitecer, é inexistente. Por isso a necessidade de não se deixar deslumbrar por tanto tempo na cratera e acabar perdendo este cenário.


O que fazer em Punta Arenas

■ Zona Franca
A primeira parada de quem visita Punta Arenas deve ser a Zona Franca, para comprar a um preço mais em conta itens como casacos e botas impermeáveis - necessários para quem vai enfrentar a neve. A Zona Franca fica perto do centro da cidade e oferece artigos como perfumes, roupas, sapatos, eletrônicos, bebidas, celulares e até carros.
■ Cemitério Municipal
O cemitério fica em frente a Avenida Bulnes é o mais antigo da cidade, tendo sido fundado em 1894. Repleto de mausoléus e capelas e de altíssimos arbustos podados, o Cemitério tem um aspecto totalmente peculiar. Dentro dele está localizada a escultura de um índio que, dizem, ao ter sua mão beijada, realiza seus desejos tempos depois. Não custa tentar.■ Museu Regional dos Magalhães
Localizado no centro histórico, o museu foi a mansão da família Braun Menéndez e está rodeada de jardins e árvores centenárias. Ele abriga importantes coleções de mobiliário e objetos do período de ouro da região dos Magalhães. Há também uma exibição histórica do processo de povoamento do território austral até a consolidação de Punta Arenas.
■ Palácio Sara Braun
O Palácio Sara Braun foi desenhado pelo arquiteto Numa Mayer em Valparaíso, no Chile, em 1895. Sua construção se deu ao longo de quatro anos e se tornou a residência de Sara Braun, sendo hoje pertencente ao Club de la Unión de Punta Arenas. O prédio é de estilo neoclássico francês e traz em sua decoração toda a aura da belle époque parisiense.

Preços

Entradas
■ Parque História da Patagônia: 12 mil pesos (R$ 46)
■ Parque Torres del Paine: 10 mil pesos (R$ 40)
■ Pinguineira: 12 mil pesos
(R$ 46)
■ Parque Pali Aike: 500 pesos (baixa temporada) ou R$ 1,95

Passagens
A partir de 902 dólares partindo de Goiânia

Hotéis
5 diárias para uma pessoa sai a partir de R$ 260

Nenhum comentário:

Postar um comentário